©  FACITEN - Faculdade de Ciências e Tecnologia de Natal

Av. Coronel Estevam, 841

Alecrim - Natal, Rio Grande do Norte

CEP: 59031-270

Tel: 084-3213-2600

  • Instagram - White Circle
  • White Twitter Icon
  • White Facebook Icon

HISTÓRICO

 

Conheça a nossa história

Histórico de Implantação e Desenvolvimento da Instituição

A FACITEN - Faculdade de Ciências e Tecnologia de Natal, com limite territorial circunscrito ao município de Natal, no Estado do Rio Grande do Norte, é mantida pela UNIPB – União de Ensino Superior da Paraíba Ltda., pessoa jurídica de direito privado com fins lucrativos, com sede e foro em João Pessoa, Paraíba.

A UNIPB – União de Ensino Superior da Paraíba Ltda. teve seu Contrato Social registrado na Junta Comercial do Estado do Paraíba sob nº 25200359445, em 12 de agosto de 2000. O objetivo social da Mantenedora, que consta do seu Contrato Social, é instituir e manter cursos de todos os níveis de educação.

Dessa forma, a UNIPB – União de Ensino Superior da Paraíba Ltda. decidiu investir na criação de uma instituição de ensino superior, apresentando ao Ministério da Educação, o pedido de credenciamento da Faculdade de Ciências e Tecnologia de Natal.

A FACITEN - Faculdade de Ciências e Tecnologia de Natal foi credenciada pela Portaria Nº 1.539, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2008, publicada no DOU em 23 de Dezembro de 2008.

A Faculdade de Ciências e Tecnologia de Natal obteve a autorização dos cursos a seguir.

Administração, mediante a Portaria Nº 1.164, de 23 de dezembro de 2008, publicada no DOU em 24 de dezembro de 2008.

Enfermagem, mediante a Portaria Nº 1.165, de 23 de dezembro de 2008, publicada no DOU em 24 de dezembro de 2008.

O curso de Enfermagem foi implantado no segundo semestre de 2013 e o curso de Administração foi implantado no primeiro semestre de 2014.

Entre os principais dispositivos legais que orientaram os procedimentos para a elaboração do seu PDI, destaca-se o artigo 16 do Decreto nº 5.773/2006, que dispõe sobre o exercício das funções de regulação, supervisão e avaliação de instituições de educação superior e cursos superiores de graduação e sequenciais no Sistema Federal de Ensino, o qual exige adequação dos procedimentos de elaboração e análise do PDI, e a Lei nº 10.861/2004, que instituiu o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES).

O Projeto de Autoavaliação da FACITEN foi elaborado nos termos estabelecidos na Lei SINAES, nas Diretrizes para a Autoavaliação das Instituições e nas Orientações Gerais para o Roteiro da Autoavaliação, editados pela Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior - CONAES.

A FACITEN criou a Comissão Própria de Avaliação (CPA) com a composição e as atribuições previstas no texto legal, garantindo efetiva participação da comunidade interna (professores, estudantes e técnico-administrativos) e externa.

Em sintonia com o que preconiza o SINAES, a autoavaliação da FACITEN foi implantada conforme especificado no PDI. Desde então, a CPA vem desenvolvendo seu trabalho pautado no Projeto de Autoavaliação Institucional, como se pode comprovar pelos registros e documentos disponíveis para consulta na Instituição.

Desde sua implantação, o PDI da FACITEN estabelece a avaliação como instrumento de gestão indispensável para a melhoria dos processos e da qualidade do ensino. O processo de autoavaliação da FACITEN contempla as dez dimensões do SINAES, e envolve todos os aspectos que giram em torno de eixos como: planejamento e avaliação institucional, o desenvolvimento institucional (sua missão, PDI e responsabilidade social), as políticas acadêmicas, as políticas de gestão e a infraestrutura física, indicadores de relevância. Os resultados obtidos são utilizados pela FACITEN como paradigmas para melhoria de ações institucional, acadêmica e social, além de orientar as políticas de gestão.

Os instrumentos de avaliação interna foram desenvolvidos a partir da definição das variáveis e dos itens de controles da qualidade associados a cada uma das dez dimensões contidas no art. 3º da Lei 10.861/04. Esses instrumentos contemplam abordagens quantitativas e qualitativas.

Quanto ao processo de revisão e elaboração do novo PDI da FACITEN, o Projeto Pedagógico Institucional - PPI, dada a sua natureza perene, foi avaliado formalmente em período imediatamente anterior ao do início da construção do novo PDI. O resultado da avaliação apontou a necessidade de reestruturação do documento, servindo de subsídio para o processo de construção do novo PDI. A atualização das políticas institucionais é justificada por análises fundamentadas dos contextos interno e externo, e considerando a necessidade de se atender a novos dispositivos legais como, por exemplo, as Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira, Africana e Indígena; as Políticas de Educação Ambiental; as Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos; a necessária Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista. E os demais elementos do PDI, elencados no artigo 16 do Decreto nº 5.773/2006, também foram objetos de revisão e análise.

A Faculdade de Ciências e Tecnologia de Natal tem como missão promover o ensino, a investigação científica e a extensão em nível superior, visando ao pleno desenvolvimento do aluno, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho. Dessa forma, pretende contribuir para o processo de desenvolvimento social e econômico de sua região de inserção, gerando conhecimento e recursos que levem em consideração as peculiaridades dessa realidade.

De acordo com seu Regimento, a Faculdade de Ciências e Tecnologia de Natal tem por finalidades:

I – estimular a criação cultural e o desenvolvimento do espírito científico e do pensamento reflexivo;

II – formar diplomados nas diferentes áreas de conhecimento, aptos para a inserção em setores profissionais e para a participação no desenvolvimento da sociedade brasileira, e colaborar na sua formação contínua;

III – incentivar o trabalho de investigação científica, visando ao desenvolvimento da ciência e da tecnologia e da criação e difusão da cultura, e, desse modo, desenvolver o entendimento do homem e do meio em que vive;

IV – promover a divulgação de conhecimentos culturais, científicos e técnicos que constituem patrimônio da humanidade e comunicar o saber através do ensino, da publicação ou de outras formas de comunicação;

V – suscitar o desejo permanente de aperfeiçoamento cultural e profissional e possibilitar a correspondente concretização, integrando os conhecimentos que vão sendo adquiridos numa estrutura intelectual sistematizadora do conhecimento de cada geração;

VI – estimular o conhecimento dos problemas do mundo presente, em particular os nacionais e regionais, prestar serviços especializados à comunidade e estabelecer com esta uma relação de reciprocidade;

VII – promover a extensão, aberta à participação da população, visando à difusão das conquistas e benefícios resultantes da criação cultural e da investigação científica e tecnológica geradas na Faculdade.